sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Poço do Bispo - nevoeiro


Já desenhei neste local algumas vezes... talvez já possa dizer muitas vezes mesmo... e nunca tinha visto o cenário desta forma. Em cima do rio, e só em cima do rio, estava um banco de nevoeiro cerrado. Mas se andássemos 100 metros terra adentro o sol era de verão.
Assim, apesar dos barcos estarem envoltos em nevoeiro, havia uma luz do sol muito forte que ainda conseguia penetrar e criar umas sombras bem contrastantes que não pude deixar de tentar representar.

No desenho anterior que tinha feito neste caderno pequeno tinha achado que não voltaria a usar a caneta castanha, e que me manteria só com as cinzas. Ora não podia estar mais enganado, foi logo na dupla página seguinte que o fiz. O castanho pareceu-me perfeito para representar aqueles "pinocos" (cabeços de amarração) característicos das zonas portuárias.

3 comentários:

Anónimo disse...

Muito Bom! E o cenário de nevoeiro às vezes nem é preciso andar 100metros...
E já agora... não são pinocos, são cabeços de amarração!
Rita Silveira Ramos

Filipe Almeida disse...

Obrigado Rita. Já complementei a informação. Eu sabia que tinha que haver um nome técnico para aquelas coisas.

Henrique Vogado disse...

Belissímo. Gosto muito do uso do castanho aqui.
Muitas vezes atravesso o rio sob intenso nevoeiro com barcos atrasados e depois atraco em Lisboa com sol.