terça-feira, 28 de maio de 2013

Carmo - janela II


Sempre admirei esta janela e o que se vê através dela. Já há alguns anos, enquanto andava pelas ruas de máquina fotográfica em vez de cadernos, a tinha fotografado. Mas sempre que por ali passo tenho que encostar-me à guarda do passadiço e fazer uma pausa a contemplá-la.
É por isso natural que também a quisesse desenhar. O formato das folhas que tinha levado neste dia era muito alongado e o enquadramento do desenho que fiz no local ficou muito compacto. Por isso achei que esta janela merecia algo mais da minha parte e acabei por refazer o desenho em casa numa folha mais larga. Gostei muito mais do resultado, com a janela a ter mais espaço para "respirar", e a parede em pedra acabou por ter também alguma expressão.

3 comentários:

nelson paciencia disse...

Oupá, este desenho está uma delícia!

Filipe Pinto disse...

Boa Filipe. As perspectiva menos óbvias trazem resultados surpreendentes.

Marisa Sapina disse...

Muito bom! Parece que o desenho vai muito para além do papel...