quinta-feira, 5 de março de 2015

Em frente na linha VI - Sousa da Sé


Depois do último apeadeiro demolido desta vez esbarrei num portão. O apeadeiro de Sousa da Sé está também enclausurado dentro de uma propriedade, pelo que desta vez desenhei o portão. Ainda tentei outra alternativa mais à frente mas estava também fechada.
Atrás do portão é possível ver os taludes que estavam destinados a uma autoestrada que nunca chegou a ser, como tantas que por aí ficaram. Mais ao fundo vislumbrei ainda uma quebra no talude, destinada à construção de uma pequena ponte para permitir a passagem da linha por baixo do asfalto.

2 comentários:

bosquejodiario disse...

continuo a apreciar a paisagem..
gosto dos desenhos, da maneira como dá cor.
do alentejo sempre gostei
o abandono que grassa por este país dá um dó de alma

Filipe Almeida disse...

É verdade que o abandono faz pena, com tanta coisa bonita que por aí há e podia ser aproveitada, no entanto não consigo deixar de o apreciar enquanto motivo para desenho.